Ops!!!

Não era bem isso que você esperava encontrar???

Mas não se preocupe, se você chegou até aqui
é porque ainda não sabe da grande novidade.

Pois bem, passamos por uma reformulação completa e agora mudamos de endereço. 

Oxe o que e

A partir de agora todo os posts publicados no blog do ÔXE! estão abrigados neste novo endereço.

Então sem mais delongas, para continuar acompanhando o ÔXE!, saber de todas as novidades da Associação Cultural CONPOEMA e do Teatro Girandolá, acesse:

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

"Juquery" na 1ª Mostra de Teatro de Heliópolis

Aumentar texto Diminuir texto
O fantasma de carregar a marca da exclusão, assombra os moradores francorrochenses ainda nos dias de hoje,  ao produzir o espetáculo "Juquery: memórias de quase vidas", o Teatro Girandolá abriu um diálogo em toda a sua região, acerca da história do hospital e da escolha deste local, que abrigava desabrigados, que escondia aqueles que não serviam para a capital paulista e grandes metrópoles. Com o desejo de dialogar com a população de outras regiões marginalizadas, o grupo está circulando com o seu espetáculo pelas periferias de São Paulo.
No próximo sábado, dia 08, o espetáculo será apresentado na primeira edição da Mostra de Teatro de Heliópolis, que conta com diversos grupos teatrais com trabalhos autorais, e que tiveram suas comunidades e realidades como fonte de inspiração para pesquisa. 
A apresentação do Teatro Girandolá será às 20h, na Sede da Cia. de Teatro Heliópolis – Rua Silva Bueno, 1.533 - Heliópolis. 

Você pode conferir aqui a programação completa da Mostra, que está maravilhosa e que conta também com workshops na programação! As atividades começaram no dia 01 de agosto, e seguem até o dia 09, com apresentações diárias!

Prestigie!!!

Sinopse do espetáculo: Personagens e histórias esquecidas atrás dos muros do Hospital Psiquiátrico do Juquery (que há mais de 100 anos separa a loucura considerada doentia, da loucura cotidiana e aceitável pela sociedade), se contrapõem a tantas outras histórias que estão todos os dias diante dos nossos olhos, e que talvez acostumados a elas, já nos passam despercebidas.