Ops!!!

Não era bem isso que você esperava encontrar???

Mas não se preocupe, se você chegou até aqui
é porque ainda não sabe da grande novidade.

Pois bem, passamos por uma reformulação completa e agora mudamos de endereço. 

Oxe o que e

A partir de agora todo os posts publicados no blog do ÔXE! estão abrigados neste novo endereço.

Então sem mais delongas, para continuar acompanhando o ÔXE!, saber de todas as novidades da Associação Cultural CONPOEMA e do Teatro Girandolá, acesse:

terça-feira, 4 de agosto de 2015

Asé!

Aumentar texto Diminuir texto
Com gosto de fruta doce, tirada do pé, assim começou agosto.
No primeiro dia do mês, o sol abrilhantou a tarde, as crianças com suas famílias subiram o morro, as pipas voaram, e foi no CEU que o encontro se deu. Os moradores do Jd. Vassouras receberam em festa, o Jongo do Coreto, de Perus, em mais um dia de OCUPACEU das artes, em Francisco Morato. E tudo estava tão lindo, o colorido das paredes, o verdinho da grama, as gargalhadas dos amigos, as crianças desenhando e pintando na sala ao lado e as saias a rodar.
Uma roda formada e no centro dela, dois. Ali se dançava e se entregava o que de melhor tinha, sem medo, desarmando, desamarrando, desabrochando em flor.
A roda batia na palma da mão, e junto dos tambores mandava toda boa energia em vibração. Os cantos resgatavam histórias do tempo de cativeiro, reverenciavam a ancestralidade negra, a beleza da natureza, e chamavam o povo para tomada de consciência, perante a opressão burguesa.
Ali, naquele CEU, ali, com aquela comunidade, tudo o que era dito, cantado e dançado, tinha total relevância e significado.
E de dois em dois, a alegria se multiplicava, até que se tivesse dançado e trocado com todos e com cada um. Crianças, jovens e adultos celebraram a chegada de mais um novo mês! Confira as imagens dançantes abaixo:


E que cada novo encontro seja tão pulsante quanto este!
Asé!

*A palavra Asè (leia-se Axé) é uma palavra Yorubá e significa: AWÁ - nós / SÉ - Realizar, sendo então: “realizamos”, ou “nós realizamos”. “Realizamos com a força de nossos ancestrais”. Por ser "Realizar" para o yorubano o verbo mais importante, tomou-se tal palavra e sacralizou-se.