Ops!!!

Não era bem isso que você esperava encontrar???

Mas não se preocupe, se você chegou até aqui
é porque ainda não sabe da grande novidade.

Pois bem, passamos por uma reformulação completa e agora mudamos de endereço. 

Oxe o que e

A partir de agora todo os posts publicados no blog do ÔXE! estão abrigados neste novo endereço.

Então sem mais delongas, para continuar acompanhando o ÔXE!, saber de todas as novidades da Associação Cultural CONPOEMA e do Teatro Girandolá, acesse:

terça-feira, 14 de julho de 2015

Verborragia

Aumentar texto Diminuir texto


O verbo devora a fera quando é deveras
O verbo se esconde, quando tem medo
O verbo, quando devido, surge justo, bem-cabido, e penetra o ego alheio
O verbo, quando tem freio, ou entala na garganta ou vara a carne e atinge o mundo – se torce que o mundo não revide.
O verbo quando rebervera revira a terra, fecunda a terra e se enverada verdejante
O verbo, quando amante, escorre guloso, verboso, garboso, brilhante
O vergo, quando vagabundo, caminha mole colhendo flores gozando tudo
O verbo, quando erudito... Repolhos rechonchudos rezando parnazeanamente palavrentos
O verbo quando tem pressa desfaz a peça desgraça a prosa e eu rio a beça
O verbo quando ausente obriga seu ouvinte a abrir os seus sentidos             

No princípio era o verbo e o verbo estava com Deus e o verbo era Deus e verbo sempre foi coisa nenhuma
Em suma, eu amava enquanto tu verbalizavas