Ops!!!

Não era bem isso que você esperava encontrar???

Mas não se preocupe, se você chegou até aqui
é porque ainda não sabe da grande novidade.

Pois bem, passamos por uma reformulação completa e agora mudamos de endereço. 

Oxe o que e

A partir de agora todo os posts publicados no blog do ÔXE! estão abrigados neste novo endereço.

Então sem mais delongas, para continuar acompanhando o ÔXE!, saber de todas as novidades da Associação Cultural CONPOEMA e do Teatro Girandolá, acesse:

quarta-feira, 10 de junho de 2015

LUME NO SESC JUNDIAÍ

Aumentar texto Diminuir texto
A unidade do SESC recém-inaugurada em Jundiaí, tem abrangido e movimentado uma região que vai para além das cidades que estão na sua divisa, como é o nosso caso, em Francisco Morato, e como Franco da Rocha e Caieiras, que ainda estão há poucos minutos de distância de Jundiaí, com fácil acesso pela linha 7 - Rubi da CPTM ou pelos ônibus intermunicipais, que ligam estas cidades. Esta unidade tem possibilitado que a população tenha uma maior frequência e contato com espetáculos e atividades culturais e de lazer, fortalecendo o vínculo com sua localidade, e ainda colaborando com a permanência e fortalecimento dos grupos artísticos locais.
Um dos projetos que o SESC Jundiaí vem desenvolvendo valoriza o trabalho de grupos de teatro e
dança com pesquisas continuadas e o compartilhamento de saberes, o [Cia] Na Casa promove apresentações de espetáculos, oficinas, workshops e bate-papos com as companhias.
Neste mês de junho o Lume Teatro é quem está na casa, ministrando workshops de produção cultural e de técnicas artísticas, além de apresentarem dois dos espetáculos do repertório do grupo.
Com quase 30 anos de estrada, o Lume, de Campinas, se tornou referência internacional para artistas e pesquisadores no redimensionamento técnico e ético do ofício de ator.
Ao longo de sua trajetória, o LUME desenvolveu relações especiais de trabalho com importantes mestres da cena artística mundial: Iben Nagel Rasmussen (Odin Teatret, Dinamarca), Natsu Nakajima e Anzu Furukawa (Japão), Nani e Leris Colombaioni (Itália), Sue Morrison (Canadá), Tadashi Endo (Japão), Kai Bredholt (Odin Teatret, Dinamarca) e Norberto Presta (Argentina).

Workshop Abre- alas


De 26/06 a 02/07
06 encontros.

Nestes encontros serão abordadas de forma prática as técnicas artísticas criativas desenvolvidas pelo grupo, com criação de cenas, que serão apresentadas em cortejo de finalização.
Homens com asas de anjo, mulheres com leques gigantes, engolidores de fogo, músicos, skatistas e praticantes de parkour em manobras radicais dobram a esquina e o tempo ao som contagiante de um maracatu. O Cortejo Abre-Alas sai pelas ruas interferindo no tráfego de carros e de gente, propondo relações com o entorno cotidiano e com o outro, o estranho, o inusitado.

60 vagas


Workshop de Produção cultural



De 26/06 a 02/07
06 encontros.

Para os interessados em saber mais sobre produção cultural, o workshop ministrado por Cynthia Margarth, produtora do grupo, apresentará de forma teórico e prática diversas noções sobre o tema.

Vagas limitadas.


Espetáculos teatrais:


27/06 - Prisão para a liberdade

Nesta demonstração-espetáculo, Carlos Simioni percorre os 30 anos de pesquisa do Lume através das técnicas desenvolvidas, como o treinamento físico cotidiano, a construção de técnicas de expansão e dilatação do corpo no espaço e no tempo, as técnicas de manipulação de diferentes qualidades de energias e sua distribuição no espaço; além do treinamento vocal do ator, o encontro com outros mestres de linhas de trabalho; e a passagem do treinamento para a elaboração de personagens e construção de cenas. Após a demonstração, o ator responderá a perguntas e dúvidas do público.

28/06 - Alphonsus

Este é o resultado da pesquisa realizada pela atriz Raquel Scotti Hirson, bisneta do poeta simbolista Alphonsus de Guimaraens a partir de seus poemas, vida e criação. Reencontrar o bisavô que não conheceu em vida através da criação cênica permitiu à atriz buscar as conexões necessárias a partir da própria família e sua história. Para a criação do solo, Raquel parte da técnica da Mímesis Corpórea, que consiste na observação de ações físicas e vocais, posteriormente transformadas em matrizes corporais para a criação de figuras, personagens, e adentrou em uma questão diferencial: a mímesis da palavra como possibilidade de preenchimento de espaços. "A palavra em ação pode conter todas as dimensões das conexões de imagens que detona e, ainda, as dimensões do corpo, jogando com espaço e tempo", conta Raquel.

Para saber mais sobre o grupo clique aqui.

Não perca estas atividades!

Mais informações:
(11) 4583-4900
http://sescsp.org.br/jundiai