Ops!!!

Não era bem isso que você esperava encontrar???

Mas não se preocupe, se você chegou até aqui
é porque ainda não sabe da grande novidade.

Pois bem, passamos por uma reformulação completa e agora mudamos de endereço. 

Oxe o que e

A partir de agora todo os posts publicados no blog do ÔXE! estão abrigados neste novo endereço.

Então sem mais delongas, para continuar acompanhando o ÔXE!, saber de todas as novidades da Associação Cultural CONPOEMA e do Teatro Girandolá, acesse:

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Encontro FLIGSP 2015

Aumentar texto Diminuir texto
Cerca de 100 artistas e produtores culturais se reuniram no último fim de semana (sexta, sábado e domingo) na cidade de São José dos Campos, interior paulista, para discutir a implantação de políticas públicas para as artes no estado de São Paulo, debatendo o Sistema Estadual de Cultura e o Programa de Ação Cultural (ProAC) – Editais. Os integrantes do Fórum do Litoral, Interior e Grande São Paulo (FLIGSP) representaram mais de 20 cidades neste 7º encontro.

Na primeira noite, dia 23, o Fórum abriu os trabalhos discutindo o fazer artístico dos grupos que o compõem, com um bate-papo com Celso Frateschi, a respeito da arte pública no século XXI, abordando os aspectos de como os grupos se mantém na capital e interior do estado, quem é o público que aprecia as artes cênicas nos dias de hoje, e como avançar para além dos editais.

Esta reflexão permeou os pensamentos coletivos durante os três dias, e apesar da angustia de perceber o quão distante parece a realidade ideal, alimentava a luta de esperança por sair deste lugar, para um debate menos pautado pelo Estado.

As discussões acerca dos dois principais temas se deram da seguinte maneira: avaliação dos avanços e retrocessos do ProAC Editais e explanação da atual situação do Sistema Estadual de Cultura, e posteriormente, a formação de dois grupos para aprofundamento destas discussões e criação de propostas e ações.


Desta maneira o FLIGSP aprovou a criação de uma carta de posicionamento e apoio a implantação do Sistema Estadual de Cultura, que será enviada para as prefeituras e câmaras municipais e demais coletivos organizados das diversas cidades, e também a criação de uma minuta e manual de como os coletivos devem proceder em suas cidades diante do não cumprimento da lei de criação dos Sistemas Municipais. Além disso, o Grupo de Trabalho de Mobilização formado neste encontro, terá como objetivo se aproximar de outros coletivos artísticos organizados do Estado para a discussão conjunta do Sistema.

Especificamente sobre o ProAC Editais, surgiram muitas demandas dos presentes. No ano de 2014, muitos integrantes do FLIGSP passaram a participar de bancas de avaliação de projetos e puderam contribuir com a devolutiva de como são realizadas estas avaliações, a partir deste diálogo, foram apontadas muitas sugestões para serem enviadas para a Secretaria de Cultura, como a melhor distribuição dos recursos aportados no ano de 2014, com vistas para cidades mais distantes e com menos de 50 mil habitantes.
No decorrer do Fórum a organização local preparou momentos de encontros artísticos, onde, além de todos poderem apreciar os coletivos culturais do Vale do Paraíba, podiam trocar ideias, dançar,  e recarregar as energias pra reunião seguinte. Além de poder aproveitar a grande área verde do próprio espaço da Fundação Cultural Cassiano Ricardo, os presentes puderam dançar jongo e  prestigiar a folia de reis local. Veja abaixo as imagens desse encontro:


Três dias de discussões se tornam pouco para o número de questões levantadas em pauta, mas pelo grande trabalho desenvolvido pelos GTs durante o ano inteiro, é que podemos ver os avanços dessa luta. O interior está mobilizado e vem ganhando respeito por realizar encontros que contribuem para a formação do pensamento de seus integrantes e a descentralização dos recursos, das produções e o acesso à arte e cultura desde 2005, uma demonstração disto foi mesmo a conquista dos 9 milhões para o ProAC no ano passado, e este ano, ter o FLIGSP como indicado ao prêmio Governador do Estado, na categoria “Territórios Culturais”, que reconhece o papel que os movimentos culturais, programas, espaços e outras iniciativas artístico-culturais independentes possuem, reinventando continuadamente as formas de se relacionar com o público a partir de novos enfoques de gestão cultural, relações entre criação artística, vida contemporânea, descentralização geográfica e o trabalho em rede. Em cada categoria concorrem 5 indicados. 

O Governo do Estado de São Paulo destinará R$ 580 mil ao Prêmio – maior valor pago a premiações deste tipo no País. São R$ 60 mil para cada um dos vencedores indicados pelo Júri nas modalidades Arte para Crianças, Artes Visuais, Cinema, Circo, Dança, Teatro e Territórios Culturais, e R$ 100 mil para o Destaque Cultural. A modalidade Instituição Cultural recebe apenas o Voto Popular, sem prêmio em dinheiro.

É possível votar e contribuir com o reconhecimento do trabalho realizado pelo Fórum, basta entrar no site.

Para conhecer mais sobre o Fórum e ler as cartas e manifestos produzidos nos encontros de Osasco, Santos e Hortolândia nos anos anteriores, basta acessar este site.

Os encontros presenciais do Fórum são realizados anualmente, e a edição de 2016 acontecerá em São José do Rio Preto, nos dias 22, 23 e 24 de janeiro.
Acompanhe as ações e participe!