Ops!!!

Não era bem isso que você esperava encontrar???

Mas não se preocupe, se você chegou até aqui
é porque ainda não sabe da grande novidade.

Pois bem, passamos por uma reformulação completa e agora mudamos de endereço. 

Oxe o que e

A partir de agora todo os posts publicados no blog do ÔXE! estão abrigados neste novo endereço.

Então sem mais delongas, para continuar acompanhando o ÔXE!, saber de todas as novidades da Associação Cultural CONPOEMA e do Teatro Girandolá, acesse:

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Escambos Psico-Poéticos no Festival de Inverno de Franco da Rocha

Aumentar texto Diminuir texto
O Teatro Girandolá abriu a programação do Festival de Inverno de Franco da Rocha, na última sexta-feira, dia 01 de agosto, no Centro Cultural da cidade, com um Escambo Psico-Poético, um ensaio aberto do processo de construção do seu novo espetáculo, que se baseia nas “Histórias que o Juquery Conta”, projeto contemplado pelo ProAC para produção de espetáculo, da Secretaria de Estado da Cultura, do Governo do Estado de São Paulo. Este terceiro escambo, ao longo da pesquisa, mostrou cenas criadas a partir do convívio com os internos do Complexo Hospitalar do Juquery, em visitas, oficinas, e saraus propostos pelo grupo, leituras de prontuários, bem como das histórias contadas nas conversas com funcionários do local, além de muitas pesquisas teóricas, leituras de teses, leituras de contos sobre o tema, como “Soroco, sua mãe, sua filha”; “A terceira margem do rio” e; “A menina de lá”, todos do Guimarães Rosa, “Só vim telefonar” do Gabriel Garcia Marquez, e “O Alienista” de Machado de Assis, e também nos livros “Cidadelas da Ordem” e “Espelho do mundo” de Maria Clementina P. Cunha, dentre outros. A vasta pesquisa, ainda em percurso, rendeu ao grupo belas figuras, que se misturam às histórias verdadeiras, mas que fogem a realidade, e passeiam pela fantasia e imaginário dos atores criadores. O que pode se ver, são as figuras embebidas de duras histórias, mas que são retratadas e trazidas ao olhos do público com leveza e que mesmo ao passo do estranhamento, causam o encanto.


Após o ensaio de aproximadamente 45 minutos, que ainda está longe de ser o produto final, o grupo sentou-se para bater um papo com a platéia e ouvir suas impressões.
De fato a peça mexeu com o público presente, que se mostrou envolvido e tocado pelas personagens, despertando as memórias dos muitos diretamente envolvidos com a história daquele hospital, seja por já terem trabalhado na instituição, ou por ter tido parentes que trabalharam, ou pelo convívio em ter sido criado dentro da escolinha para filhos de funcionários, ou até mesmo por ter seu nome relacionado a uma história acontecida dentro daqueles muros. Os presentes tinham grande relação de afeto com o lugar, e demonstraram muita propriedade em relação aos acontecimentos da história, tanto, que se manifestaram pedindo que entrasse determinado fato na peça, e que o grupo tocassem em determinado assunto...
Este era um dos desejos do grupo, abrir diálogo sobre a história de construção da cidade e como ela se relaciona com o que somos nos dias de hoje, ouvir o que os moradores tem a dizer sobre os acontecimentos e tentar transportar para cenas também esses pontos de vistas, resgatar memórias, olhar para o lugar a que pertencemos e dizermos o que queremos para ele.
A estreia do espetáculo está prevista para Novembro, mês de aniversário da cidade de Franco da Rocha.
Fique atento na agenda do grupo através do site: www.teatrogirandola.com.br
A programação do festival segue até o dia 31 de agosto, para maiores informações, ligue: 4443-7050.