Ops!!!

Não era bem isso que você esperava encontrar???

Mas não se preocupe, se você chegou até aqui
é porque ainda não sabe da grande novidade.

Pois bem, passamos por uma reformulação completa e agora mudamos de endereço. 

Oxe o que e

A partir de agora todo os posts publicados no blog do ÔXE! estão abrigados neste novo endereço.

Então sem mais delongas, para continuar acompanhando o ÔXE!, saber de todas as novidades da Associação Cultural CONPOEMA e do Teatro Girandolá, acesse:

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Conheça o Relicário de Concreto

Aumentar texto Diminuir texto
O espetáculo “Relicário de Concreto” está em temporada novamente no CEU Perus, durante o mês de maio. A obra é fruto da pesquisa do grupo Pandora de Teatro sobre as memórias dos moradores do bairro de Perus e ex- funcionários, sobre a história da Fábrica de Cimento Portland Perus; mas ele é o que se mostra ao público por ser resultado da pesquisa de linguagem do grupo, que ao longo dos seus 10 anos de estrada, se consolida em espetáculos, como este, de imagens poéticas que tentam reinventar a realidade, mesmo as tão duras como o cimento.
Neste trabalho, o grupo mistura com proeza as linguagens cômica, fantástica e poética, deixando esta história com o peso que é suportável carregar, embora não sem dor.
Durante o espetáculo também carregamos junto aos atores a responsabilidade das escolhas. Desde a primeira cena, o grupo nos coloca a furar uma greve para adentrarmos ao espaço de encenação e assim, assistirmos o restante do espetáculo.
Ora somos pelêgos, ora somos queixadas, algumas vezes apenas num diálogo interno, mas constante no decorrer da peça. Ora somos nós mesmos, a julgar e “apedrejar” o pelêgo por sua fraqueza de braços sempre prontos a trabalhar.
Mas a mim não passou despercebido o questionamento que podemos nos fazer sobre essa história real, e por isso tão delicada de se tocar, e que o espetáculo vem a nos clarear, de quem é o opressor e quem é o oprimido.
Entendo que nós somos o resultado de uma história secular, e escolher romper com esta história, que sempre nos impôs o trabalho e a submissão ao patrão como regra, e a falta deles como vagabundagem e desajuste, não parece tarefa fácil.
Escolhermos o lado mais penoso, mais sofrido, para num futuro termos mudanças significativas, pressupõe uma consciência histórica e coletiva que não nos ensinam na escola. Em diversos momentos da nossa vida, infelizmente, nos comportamos como pelêgos, e em muitos outros lutamos para nos mantermos com firmeza em nossos ideais. Perceber de que lado estamos, e quem é o verdadeiro inimigo, muitas vezes invisível, também não costumam nos ensinar. Por isso precisamos estar atentos e enxergarmos além do que se mostra a nossa frente, é preciso compreender e aprender com a história, para reinventá-la.
Parabenizo ao grupo, e agradeço por me proporcionarem este momento de reflexão.
O espetáculo fica em cartaz no CEU Perus, todos os sábado de maio, nos dias 10, 17, 24 e 31 às 19h00, e durante a semana, nos dias 13, 19 e 28 de maio às 20h30, com entrada gratuita
Prestigiem!

Meire Ramos

Atriz e produtora cultural