Ops!!!

Não era bem isso que você esperava encontrar???

Mas não se preocupe, se você chegou até aqui
é porque ainda não sabe da grande novidade.

Pois bem, passamos por uma reformulação completa e agora mudamos de endereço. 

Oxe o que e

A partir de agora todo os posts publicados no blog do ÔXE! estão abrigados neste novo endereço.

Então sem mais delongas, para continuar acompanhando o ÔXE!, saber de todas as novidades da Associação Cultural CONPOEMA e do Teatro Girandolá, acesse:

terça-feira, 25 de março de 2014

Ara Pyau no Galpão Arthur Netto!

Aumentar texto Diminuir texto
Nesse fim de semana estivemos em Mogi das Cruzes acompanhando a apresentação do espetáculo Ara Pyau – Liturgia Para O Povo Invisível, do Teatro Girandolá, que esteve no espaço de outro coletivo também parceiro nosso, o Galpão Arthur Netto.

O espetáculo que mostra o dia-a-dia de uma comunidade indígena Guarani que vive no pé do pico do Jaraguá/SP, resistindo com sua cultura, suas danças, sua língua, seus rituais e espiritualidade, ao massacrante progresso desmedido da cidade mais rica da América Latina, fica cada vez mais fortalecido, e transborda de significado ao ser apresentado em lugares de resistência cultural, como neste dia 22 de março.

O Galpão Arthur Netto é um espaço cultural independente, que desde 2009 oferece atividades para a sua comunidade, surgindo como uma alternativa não só de entretenimento, mas como espaço de reflexão para a população. O espaço que já foi Ponto de Cultura, hoje sobrevive da garra de seus idealizadores, que oferecem oficinas de teatro e circo, e se reinventam diariamente para bancar as contas, que se somam a um aluguel de R$3.000,00.

Não fechar as portas quando tudo colabora para tal, é um grande ato de coragem e resistência, é ter muito claro os objetivos que se quer alcançar, saber das dificuldades que irão passar, mas com o olho lá no futuro.

O dia foi inspirador, desde a visita ao espaço, conhecendo as particularidades da decoração, a materialização de um sonho, num espaço cênico bem equipado e aconchegante, até as conversas que tivemos durante a tarde, a apresentação propriamente dita, que foi muito especial, e a pós-apresentação, num bate-papo sobre o espetáculo e sobre a resistência dos povos originários do Brasil, que contou com a presença de muita gente bacana, militantes indígenas, professores, pesquisadores, e artistas, que nos impulsionaram ainda mais a continuar na batalha por dias melhores, por uma cultura de paz e por direitos iguais a todos.

Fiquem abaixo com as fotos do espetáculo!