Ops!!!

Não era bem isso que você esperava encontrar???

Mas não se preocupe, se você chegou até aqui
é porque ainda não sabe da grande novidade.

Pois bem, passamos por uma reformulação completa e agora mudamos de endereço. 

Oxe o que e

A partir de agora todo os posts publicados no blog do ÔXE! estão abrigados neste novo endereço.

Então sem mais delongas, para continuar acompanhando o ÔXE!, saber de todas as novidades da Associação Cultural CONPOEMA e do Teatro Girandolá, acesse:

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Girando no Hotel e Spa da Loucura

Aumentar texto Diminuir texto
Desde o ano passado, o Teatro Girandolá está em um novo processo de criação de espetáculo, com o projeto até então chamado “Histórias que o Juquery conta”, além da parte teórica, com a leitura de livros como "Cidadelas da Ordem", "Psiquiatria, loucura e arte: Fragmentos da História Brasileira", " Holocausto Brasileiro", entre teses, textos e histórias sobre o tema, o grupo se encontra com pessoas e lugares que trabalham ou trabalharam com a loucura, médicos psiquiatras, funcionários do próprio Juquery, pesquisando a história de outros hospitais psiquiátricos do Brasil com todas as suas particularidades e semelhanças.
Nesse ano, o grupo vai intensificar o processo, e nesse primeiro mês, os integrantes reservaram cinco dias pra se hospedar no Hotel e Spa da Loucura, que fica no Instituto Nise da Silveira, no Engenho de Dentro, Rio de Janeiro, um local que tenta se colocar na contra-mão do que é esperado no tratamento psiquiátrico no Brasil. Puderam sentir a energia dos corredores com paredes coloridas, onde moradores, funcionários, clientes e artistas deixaram mensagens registrando suas passagens por lá, o grupo vivenciou diversos momentos com os clientes e hóspedes do lugar, foram dias de intenso contato e a alegria esteve presente desde o primeiro momento até o último instante, na despedida.
O projeto idealizado pelo médico imunologista e psiquiatra cultural, Vitor Pordeus, é baseado fortemente no afeto, e a arte é mais uma das maneiras que eles utilizam para se comunicar com os clientes psiquiátricos e deles se comunicarem com o mundo.
A proposta é que os artistas, estudantes, médicos e demais interessados convivam ali, todos os dias, desde o café da manhã até o jantar, participando de atividades culturais, oficinas, cortejos, e respeitando todos, cada qual com as suas diferenças, mas deixando de lado as limitações impostas pela sociedade em geral, sempre incentivando a autonomia de todos. Durante os cinco dias, os atores participaram de oficinas de dança e construção de mandalas, cirandas pelas ruas da cidade, assistiram um espetáculo de teatro de rua, visitaram o Museu do Inconsciente, e também o Museu Bispo do Rosário, e foram muito bem acompanhados, em especial pelo Edimar, Denise, Miriam, e é claro com o próprio Vitor, que fala apaixonadamente do trabalho desenvolvido no hotel. Confira as fotos abaixo:


O Teatro Girandolá sentiu na pele o amor de todos que ali estão, envolvidos profundamente com esse projeto, mais um acontecimento marcante na vida desse grupo, que aprendeu demais com o Hotel da Loucura e voltou repensando a relação com os outros e como é necessário que todos sejam felizes e respeitados, livres pra poder criar e compartilhar a vida. Abaixo um vídeo sobre o Hotel vale a pena clicar aqui para saber mais sobre o projeto e também acesse o site do Girandolá aqui, para saber mais sobre a pesquisa.


"Escuta, escuta, o outro a outra já vem
Escuta, acolhe, cuidar do outro faz bem
Desde o tempo em que eu nasci, logo aprendi algo assim
Cuidar de mim é cuidar do outro, cuidar do outro é cuidar de mim". Evoééé!!!!