Ops!!!

Não era bem isso que você esperava encontrar???

Mas não se preocupe, se você chegou até aqui
é porque ainda não sabe da grande novidade.

Pois bem, passamos por uma reformulação completa e agora mudamos de endereço. 

Oxe o que e

A partir de agora todo os posts publicados no blog do ÔXE! estão abrigados neste novo endereço.

Então sem mais delongas, para continuar acompanhando o ÔXE!, saber de todas as novidades da Associação Cultural CONPOEMA e do Teatro Girandolá, acesse:

sexta-feira, 26 de julho de 2013

Tragédia de Shakespeare em Franco da Rocha!

Aumentar texto Diminuir texto
Isso é uma tragédia ou uma comédia???




É melhor você tirar sua própria conclusão e prestigiar a apresentação da Cia CaravanMaschera, que mostrará seu trabalho “Cordel Clownesco do Romeo e da Julieta”, no dia 02/08, às 20h, no Girandolá Recebe... dentro da programação do 13º Inverno Cultural de Franco da Rocha. O espetáculo é uma adaptação da obra de Shakespeare em linguagem clownesca e bufônica, coGiorgia Goldoni e Leoanrdo Garcia Gonçalves, ele foi contemplado pela FUNARTE, no edital de Artes Cênicas na Rua. Portanto, não perca esse grande dia cômico... ops, quer dizer trágico, a apresentação acontecerá no calçadão na frente da antiga biblioteca e da estação de trem. Portanto, prepare toda a família e vá pra rua, que também é lugar de teatro!!!



Sinopse: O ambiente de “O cordel nordestino do Romeo e da Julieta” é o sertão nordestino. Mas a peculiaridade desse ambiente é a metateatralidade da encenação. Nessa leitura, os personagens são interpretados por dois clowns que decidem de encenar a Tragédia sobre um Pau-de-Arara. Os dois clowns se utilizam da manipulação de Mamulengos, manipulação de objetos como personagens, recitam cordel, fazem desafios de embolada com o público, cantam e tocam seus instrumentos para dar vida a essa Tragédia de uma forma clownesca. Eis que se desenha uma rivalidade sempre atual no pensamento moderno: O equilíbrio de forças entre o erudito e o popular; entre o sublime e o grotesco, entre o saber culto e o saber do povo, entre o instruído e o selvagem.