Ops!!!

Não era bem isso que você esperava encontrar???

Mas não se preocupe, se você chegou até aqui
é porque ainda não sabe da grande novidade.

Pois bem, passamos por uma reformulação completa e agora mudamos de endereço. 

Oxe o que e

A partir de agora todo os posts publicados no blog do ÔXE! estão abrigados neste novo endereço.

Então sem mais delongas, para continuar acompanhando o ÔXE!, saber de todas as novidades da Associação Cultural CONPOEMA e do Teatro Girandolá, acesse:

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Intensas trocas marcam os primeiros dias de intercâmbio com Teatro de la Escucha

Aumentar texto Diminuir texto
Intensas trocas. Talvez isto resuma melhor estes primeiros dias em que pudemos estar em contato com nossas amigas Chusa Pérez e Geraldine Guerrero, vindas da Argentina e Espanha respectivamente. Desde as diferenças da língua (que não tem se mostrado um empecilho, graças a ambivalência de nossas convidadas), às diferenças de costumes, visões e experiências, tem aberto um novo horizonte em nossas cabeças; proporcionando desde já uma riquíssima experiência. Não apenas de atuação sócio-cultural, mas principalmente humana. Pode parecer bobagem, mas saber que garfo é tenedor e não saber explicar porque chamamos de pão francês algo que não há em outros países, é algo que também enriquece nossa visão de mundo. Porém, e principalmente, as proximidades (e diferenças) entre as atuações do Teatro Y Compromisso e Teatro Girandolá em sido uma fantástica jornada de conhecimento e (por que não?) auto-conhecimento para todos nós.

Domingão, recebemos nossas amigas em terras moratenses com um delicioso jantar e uma roda informal de conversas em que a curiosidade sobre a realidade dentro e fora de terras tupiniquins foi a tônica em meio ao legítimo mate argentino que compartilhamos. Segunda, apresentamos um de nossos patrimônios gastronômicos: a feijoada; e fomos ao trabalho. Uma bacana reunião em que pudemos dividir e apresentar um pouco da realidade, atuação e entendimento que temos dentro da Confraria Poética Marginal; falamos também um pouco sobre nossa história que recentemente culminou na nossa constituição como ONG e aproveitamos para mostrar mais material dos espetáculos e do Oxandolá [In]Festa. Do mesmo modo, fomos apresentados um pouco mais a fundo ao Teatro Y Compromisso/Teatro de la Escucha, suas práticas, um pouco de teoria e todo um arcabouço de vinte anos de atuação que não seria possível resumir em algumas horas; ao que terminamos com um cafezinho brasileiro e fomos descansar para a intensa manhã de Terça. Aliás, você sabia que parece que só nós brasileiros chamamos os dias da semana com nomes vindos dos números? Pois é a gente também não tinha reparado nisso...


Terça, a primeira oficina comandada por Chusa Pérez, voltada apenas para os grupos que atuam na nossa região. A animada e divertida atividade trouxe um pouco da teoria e práticas do Teatro Y Compromisso/Teatro de la Escucha e encantou, fez pensar, provocou, encheu de animo, ampliou horizontes e principalmente envolveu a todos em um total de 6 horas que passaram voando. No meio disso, um delicioso almoço coletivo, repleto de sabores de mãos talentosas também para a arte de cozinhar; com direito a torta, salada de fruta e escondidinho. Mais um cafezinho para fechar e simbora descansar que amanhã tem mais! E você sabia que o nosso bolo é bizcocho e o nosso biscoito (ou bolacha) é galleta? Pois é, a gente também não...


Quarta foi um dia dedicado a Perus. Primeiro no Sindicato dos Trabalhadores na Industria do Cimento, Cal e Gesso de São Paulo, onde encontramos com o simpático Sr. Sidnei Fernandes que contou detalhes da "greve-guerra" de 1962 e nos levou em um tour pelas dependências, hoje abandonadas, da então Companhia Brasileira de Cimento Portland Perus. Pra quem não sabe a tal Companhia foi palco da mais extensa greve da história do Brasil, em que os funcionários da empresa (chamados pejorativamente na época de "Queixadas") lutavam pelos seus direitos contra o grupo empresarial de J.J. Abdalla. Além da belíssima história de luta em Perus, fomos visitar também a Comunidade Cultural Quilombaque, onde conversamos com nosso querido amigo Valmir sobre a atuação cultural da Quilombaque em Perus e sobre o "Guarus - netos de Queixadas", grupo de atuação sócio-cultural também no bairro. Muita admiração, simpatia e um monte de material sobre a história de Perus para levar de volta a Espanha e Argentina. Uma esticadinha no escritório para conferir e-mails e outras coisas e fomos descansar que ninguém é de ferro (ou hierro ;)!


E fique ligado que ainda tem mais visitas, Sarau ConPoeMa, oficinas, Ara Pyau e Girandolá Recebe... Então já vai se programando aí (confira no site do Girandolá a programação completa: www.teatrogirandola.com.br/p/inter.html ) e participe dessa jornada conosco!


.