Ops!!!

Não era bem isso que você esperava encontrar???

Mas não se preocupe, se você chegou até aqui
é porque ainda não sabe da grande novidade.

Pois bem, passamos por uma reformulação completa e agora mudamos de endereço. 

Oxe o que e

A partir de agora todo os posts publicados no blog do ÔXE! estão abrigados neste novo endereço.

Então sem mais delongas, para continuar acompanhando o ÔXE!, saber de todas as novidades da Associação Cultural CONPOEMA e do Teatro Girandolá, acesse:

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Meretriz

Aumentar texto Diminuir texto


Sou na noite a bela dama

Na madrugada, uma atriz

Meu mundo, faço na cama

O destino assim me quis

Sou rubra rosa desfolhada

Por muitos já fui amada

Rainha do desvario

Sou pantera machucada

Sou ovelha desgarrada

Sou a fêmea descarada

No cio

Levo santos ao inferno

E demônios ao paraíso

Se os faço perderem o juízo

Ou é sem querer, ou é por capricho

Na família, desonrada

Na igreja, excomungada

No mato, bicho arredio

O prazer de mim exala

E quando a voz se cala

Após urros de orgasmo arrebatador

Está certo que acabou

Pego o dinheiro, faço a trouxa

E não digo pr’onde vou

Sou amante do perigo

A ninguém chamo de amigo

Um barão assim falou:

“Se tu viesses comigo”

Viveria para ti

Viveria do teu calor”

Coitado, mal ele sabe

Que não me conquista com frases

Que não me comove o amor


Se me encontrares num beco

De saia curta, salto alto

E batom cor de carmim

Não te enfureças, não te enciumes

Não me grites, não te mates

Ganho a vida assim

A virgens, sou donzela

A corrompidos, meretriz