Ops!!!

Não era bem isso que você esperava encontrar???

Mas não se preocupe, se você chegou até aqui
é porque ainda não sabe da grande novidade.

Pois bem, passamos por uma reformulação completa e agora mudamos de endereço. 

Oxe o que e

A partir de agora todo os posts publicados no blog do ÔXE! estão abrigados neste novo endereço.

Então sem mais delongas, para continuar acompanhando o ÔXE!, saber de todas as novidades da Associação Cultural CONPOEMA e do Teatro Girandolá, acesse:

quarta-feira, 22 de junho de 2011

Barba, o homem que catava papelão

Aumentar texto Diminuir texto

Fato verídico

O galo entoava seu canto rude.

Ele, o Barba, despertou

meio tonto, meio lezo; das cachaças do dia anterior. Tinha que se levantar antes dos coletores de lixo.

Pensou em trocar de roupa,

porém, decidiu que seria possível usá-la por mais uma semana.

Saiu

e iniciou seu martírio,

sua luta diária pela sobrevivência,

iniciou sua busca por papelão,

garrafas plásticas

e alumínio.

Metia-se no meio de qualquer imundice

para ganhar alguns tostões.

Ele e sua inseparável carroça

formavam um par perfeito.


Dona Mônica lhe dera uma antena parabólica,

Barba pensou que aquele seria "o dia"

para faturar umas boas pratas.

Antes de ir ao ferro-velho,

passou no boteco para beber uns copos

e prosear com os companheiros.

Falava alto, sorria muito

e a cada sílaba proferida,

saltava-lhe da boca, gotas fétidas de saliva.

Estava ridiculamente alegre,

pois com a venda da sucata,

poderia comprar lingüiça.

Ah! Há quanto tempo não comia lingüiça frita...


Barba, já embriagado,

saiu dali pisando mole,

enxergando turvo

e ouvindo pouco.

Desembestado guiava sua carroça até o ferro-velho

e, antes que chegasse

um dos companheiros que estava no boteco,

o surpreendera com uma paulada...

Barba caiu,

e da cabeça vertia-lhe sangue e miolos...

Estrebuchava, se contorcia

tal qual uma lagarta que tem o ventre perfurado por um graveto...

O homem, não satisfeito,

dera-lhe outra

e mais outra paulada,

depois examinou o cadáver com indiferença,

tomou a carroça e rumou ao ferro-velho.

Conseguiu o suficiente

para comprar algumas gramas de cocaína.

O corpo de Barba, só foi descoberto

sete dias após a morte,

devido ao fedor que exalava.

Seu assassino foi Marquinhos,

de dezessete anos, que morreu de overdose

na noite daquele mesmo dia.