Ops!!!

Não era bem isso que você esperava encontrar???

Mas não se preocupe, se você chegou até aqui
é porque ainda não sabe da grande novidade.

Pois bem, passamos por uma reformulação completa e agora mudamos de endereço. 

Oxe o que e

A partir de agora todo os posts publicados no blog do ÔXE! estão abrigados neste novo endereço.

Então sem mais delongas, para continuar acompanhando o ÔXE!, saber de todas as novidades da Associação Cultural CONPOEMA e do Teatro Girandolá, acesse:

terça-feira, 9 de novembro de 2010

Li&Gostei!: Mastigando Humanos é um daqueles inesquecíveis...

Aumentar texto Diminuir texto
Por: Daniela Mendes

Dia desses andando meio indecisa em uma biblioteca sobre qual exemplar levar, e um tanto descontente com minha escassa informação sobre bons livros contemporâneos, uma funcionária me presenteou com uma bela indicação. A indicação se tratava de um dos romances do escritor paulista Santiago Nazarian: “Mastigando Humanos”.

Confesso que fiquei mais feliz do que esperava! Fazia algum tempo que não me divertia tanto com uma história tão louca quanto aquela. Trata-se de uma trama cujo protagonista é nada mais nada menos, que um jacaré! Mas não apenas “mais um” jacaré, e sim um jacaré de espírito suburbano. Escrito em primeira pessoa, na forma de um livro de memórias, a narrativa se desenvolve na parte subterrânea de um esgoto no centro da cidade de São Paulo. Nosso protagonista vai criando laços de amizades com seres tão inusitados quanto sua condição de anfíbio filosófico: de sapos a humanos... de pneus à roedores.

Encontrado depois por um grupo de pesquisadores de uma instituição superior, o simpático jacaré acaba tornando-se até professor universitário de um grupo de peixes... Sim, na faculdade, estudavam animais também. É uma viagem psicodélica através de animais que falam, e da constante luta de um jacaré para se tornar um culto intelectual! Mas infelizmente, seu destino acaba terminado em um quarto de motel escrevendo esse livro de memórias, que funciona mais ou menos como um tratado que defende que seu estado de predador, não impede que possa explorar todo seu potencial filosófico.

Com seu tom sarcástico, (como observado nas demais obras) e um jeito muito autêntico de criar personagens, Nazarian nos faz dar boas gargalhadas e mergulhar nas idéias mais loucas e inteligentes de uma filosofia alternativa. Creio que entra na lista dos melhores autores contemporâneos em língua portuguesa sem perigo de exagero.

Dizem os críticos que foi seu livro mais ousado, o que consequentemente, exige um cuidado especial do escritor para ser o mais original possível, o que pelo visto, o autor conseguiu sem muito trabalho. Fica aí galera a dica para uma leitura memorável e divertida: “Mastigando Humanos” deve ser mastigado mesmo até a ultima página. ::