Ops!!!

Não era bem isso que você esperava encontrar???

Mas não se preocupe, se você chegou até aqui
é porque ainda não sabe da grande novidade.

Pois bem, passamos por uma reformulação completa e agora mudamos de endereço. 

Oxe o que e

A partir de agora todo os posts publicados no blog do ÔXE! estão abrigados neste novo endereço.

Então sem mais delongas, para continuar acompanhando o ÔXE!, saber de todas as novidades da Associação Cultural CONPOEMA e do Teatro Girandolá, acesse:

quinta-feira, 4 de junho de 2009

Na Mesa com os Latas: O agente X

Aumentar texto Diminuir texto

Inaugurando a seção Na mesa com os latas, conversamos este mês com uma pessoa que trabalha na Santa Casa, e que nos conta como é fazer parte de uma instituição que beira a falência. Por motivos óbvios de segurança, chamaremos essa pessoa de Agente X.

Latas: Como você entrou para a Santa Casa?
Agente X: Levei meu currículo no DP, e uns dois ou três dias depois fiz uma prova e comecei a trabalhar logo em seguida.
Latas: Quando você começou a trabalhar lá, de todos os problemas que haviam lá, qual te saltou os olhos?
Agente X: A falta de valorização dos funcionários. Outra coisa é a falta de material. Falta tudo ali. O pessoal tem que se virar com o que tem mesmo. Nem mesmo caixas próprias para se depositar objetos perfuro-cortantes como agulhas e ampolas. Tínhamos que improvisar com caixas de papelão mesmo. Já aconteceu de funcionário ter que trazer luvas de procedimento de casa, porque às vezes nem isso tinha. Isso é muito complicado, pois é perigoso tanto pra quem atende quanto pra quem é atendido.
Latas: O que mais acontece de errado por lá?
Agente X: Tudo! Desde o atendimento, que é péssimo; falta de medicamentos, de médicos responsáveis por setores aonde deveriam haver plantonistas, como centro cirúrgico, berçário, etc.O centro cirúrgico, por exemplo, é obrigatório que se tenha um médico sempre presente por lá, para realizar pequenas cirurgias, partos, enfim... Se aparecesse uma mulher em trabalho de parto, o primeiro médico que estivesse atendendo no plantão é o que subia. Isso sem falar no equipamento, que até deve valer alguma coisa, mas como sucata. Sem condições de receber algum tipo de trauma ou outra situação de emergência. Devido à precariedade do CTI, às vezes chegava um paciente, mas não havia a mínima condição necessária para atendê-lo, e depois, com medo de que o mesmo pudesse vir a óbito, duas ou três horas depois ele era transferido para um lugar onde houvesse equipamento e pessoal preparado para manuseá-lo.
Latas: Falando sobre os funcionários, falando num contexto geral, de 0 à 10, que nota você daria para eles?
Agente X: 6.
Latas: por que uma nota tão baixa assim?
Agente X: Porque há ótimos profissionais na Santa Casa, que pra falar a verdade não sei o que eles ainda estão fazendo perdidos por lá, mas também tem muito pau mandado, que ao invés de exercer sua função, fica só puxando saco.
Latas: Tem pelo menos algo de bom no seu trabalho?
Agente X: Só as poucas amizades que fiz por lá.
Latas: Do jeito que a Santa Casa está hoje, de um modo geral, você acha que ela faz mais bem ou mal em relação ao atendimento à população?
Agente X: Faz mais mal do que bem, com certeza.
Latas: É melhor fechada então?
Agente X: Sim, nessas condições, é melhor fechar de vez mesmo. Agora espero que com essa nova diretoria as coisas comecem a caminhar. Pra frente de preferência, porque é assim, ou muda ou fecha.
Latas: Pra finalizar, se algum ente querido ficasse doente ou se machucasse, você o levaria para a Santa Casa?
Agente X: De jeito nenhum!